Galeria de Homenageados

PRÊMIO PERSONALIDADE DA
AVICULTURA E SUINOCULTURA BRASILEIRA | 2008


Categoria
Homenageado

Avicultura Brasileira - Área Técnica


Avicultura Brasileira


Suinocultura Brasileira - Área Técnica


Suinocultura Brasileira


 

Egladison João Campos

Personalidade da Avicultura Brasileira Área Técnica

Nascido em Belo Horizonte (MG) em 1935, Egladison João Campos formou-se em medicina veterinária em 1961 pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professor e PhD em Produção de Aves, ministrou aulas até 1992, quando se aposentou por tempo de serviço. Foi também diretor do Centro de Pesquisas da Escola de Veterinária e chefe do Departamento de Zootécnica da UFMG. Orientou 48 teses de mestrado e seis dissertações para doutorado em produção de aves. Tem 152 trabalhos científicos publicados em revistas especializadas nacionais e internacionais e também foi palestrante em diversos congressos e seminários pelo Brasil e pelo mundo. Atuou ainda como consultor técnico de inúmeras empresas brasileiras e latino-americanas como Hygen, Ceave, Regina Alimentos, Granjas União, Nutriall Alimentos, Biomix, Organizações Francap, San Fernando (no Peru), Avícola Agoyan (Equador) e Comagro (na Bolívia). Recebeu algumas distinções ao longo de sua carreira - como a placa da Associação Cearense de Avicultura (Aceav), por sua contribuição ao desenvolvimento da produção avícola local; a comenda Saturnino de São José, pelo governo de Minas Gerais, e a Medalha de Prata, da Universidade de Cambridge, na Inglaterra, por estar entre os 2.000 cientistas do Século 21.



 

Milton Conte

Personalidade Empreendedora da Avicultura Brasileira

Nascido em Nova Petrópolis (RS), Milton Conte é formado em engenharia mecânica. Aos 55 anos, é considerado um grande empreendedor do mercado de equipamentos avícolas. Conte iniciou sua carreira profissional em 1972 como comprador na empresa Rossi Zimmermann, que produzia equipamentos para criação de aves. Em 1977, adquiriu 25% das cotas de sociedade da Rossi Zimmermann, que passou a se chamar Avimec Indústria e Comércio de Equipamentos Ltda. Em 1986, comprou mais 25% das cotas da sociedade e passou a responder pela direção Comercial até o ano de 2000. Naquele ano, a Avimec foi vendida. Em 2001, fundou a América do Sul, empresa de equipamentos avícolas, a qual dirige até hoje. Também contribuiu para o desenvolvimento tecnológico do setor, quando trouxe para o mercado brasileiro, na década de 1980, o sistema de aquecimento automático a gás. Foi ainda pioneiro na implantação dos sistemas de bebedouro tipo nipple na avicultura. Na década de 1990, por meio de parcerias internacionais, trouxe para o Brasil os galpões climatizados tipo túnel niple. Entre outras contribuições, popularizou a fabricação de ventiladores nos sistemas de climatização. Já na América do Sul, sua maior inovação foi aprimorar o arraçoamento automático de aves do primeiro ao último dia de vida. Desenvolveu um prato que permitiu a implantação do Sistema de Transferência de Pratos, proporcionando o arraçoamento automático na área de pinteiro.



 

Nelson Morés

Personalidade da Suinocultura Brasileira - Área Técnica

Médico veterinário formado em 1980, Nelson Morés possui mestrado em patologia animal pela Escola de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). De 1980 a 1981, atuou na área de Defesa Animal da Companhia Integrada de Desenvolvimento Agrícola de Santa Catarina (Cidasc). Em 1984, ingressou na Embrapa Suínos e Aves. A partir de 1989, coordenou os projetos de pesquisa em Ecopatologia, com o objetivo de identificar os fatores de risco relacionados às principais doenças da produção de suínos. Nesse período, também, exerceu cargos de gerência de pesquisa. Durante dois anos foi coordenador Nacional de Pesquisa de Suínos e Aves e por dois anos chefe de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa Suínos e Aves. Na sequência, liderou uma série de experimentos direcionados ao estudo e controle das micobacterioses em suínos no Brasil e também coordenou um projeto de erradicação da doença de Aujeszky em Santa Catarina. Liderou ainda o projeto de pesquisa que visa a produção de suínos em família sem a utilização de antibióticos promotores de crescimento, atuando como colaborador em vários projetos de pesquisa em sanidade suína. Ele é membro do Comitê Nacional de Sanidade Suína e consultor em sanidade suína. Possui 28 trabalhos científicos publicados como autor, 55 como co-autor, 28 artigos de divulgação científica e tecnológica, 40 trabalhos apresentados em congressos e três livros publicados. Na área empresarial, é produtor de suínos desde 1991.



 

Reinaldo Migliavacca

Personalidade Empreendedora da Suinocultura Brasileira

Nascido em Guaporé (RS) em 1923, o descendente de italiano Reinaldo Migliavacca é patriarca de uma tradicional família gaúcha. Começou sua produção de suínos em 1947, com a Granja Ideal, instalada no município de Casca (RS). Inicialmente, criava os animais para reprodução, mas acabou investindo, anos mais tarde, no melhoramento genético. A iniciativa representou consideráveis avanços para a suinocultura brasileira entre os anos de 1956 e 1985. Difundiu, especialmente, a raça Duroc, por meio da importação de reprodutores dos Estados Unidos. Posteriormente, introduziu a raça Landrace, com importações da Dinamarca, Alemanha e Bélgica. Migliavacca é um dos expoentes iniciais das melhorias genéticas da suinocultura nacional. Sempre participou ativamente em organizações voltadas à suinocultura brasileira. Ele também foi um dos fundadores da Associação Brasileira dos Criadores de Suínos (ABCS). Além disso, a Granja Ideal foi uma das propriedades com maiores conquistas em exposições das raças Duroc e Landrace, tendo disseminado linhagens de reprodutores suínos nas regiões mais longínquas do País e de alguns países da América do Sul, consagrando suas iniciativas dentro da suinocultura nacional.



Siga-nos nas redes sociais e acompanhe as novidades